Minha casa minha vida

Minha casa minha vida

Publicado em 23/10/2019 às 16:48


Venha e veja como fazer o seu Minha Casa, Minha Vida


Fazer um financiamento de imóvel nem sempre é barato, afinal, além do crédito, bancos cobram juros e taxas que fazem o custo do bem aumentar. Por isso, desde que foi criado em 2009, o Minha Casa, Minha Vida tem sido a saída de muitas famílias para a realização do sonho da casa própria.

Benefícios do programa

A alternativa é primeiro, menos burocrática. Contando com regras básicas e o auxílio do Governo Federal, os imóveis financiados pelo Minha Casa, Minha Vida conseguem ser aprovados com certa facilidade pela Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil, responsáveis pelos parcelamentos do programa.

Isso não significa, porém, que a opção não tem exigências: elas existem, e incluem, por exemplo, idade mínima de dezoito anos, renda fixa e não ter imóvel registrado no nome do solicitante.

Outra vantagem do programa é o custo mais barato. Como é um programa Federal, o Minha Casa oferece ao beneficiário a possibilidade de isenção de parte da entrada do imóvel (quitada pelo governo); taxas de juros menores que financiamentos tradicionais; ou pagamento mais barato por seguros obrigatórios em parcelamentos de propriedades.

Se interessou pela possibilidade? Saiba como fazer!

Minha Casa, Minha Vida: passo a passo

  • Definição da faixa

A primeira etapa para se inscrever no Minha Casa Minha vida é definir sua renda familiar mensal e o valor do imóvel buscado. Isso porque o programa conta com quatro faixas de financiamento, que define condições e custos.

As divisões são:

  • Faixa 1

A primeira faixa do MCMV engloba consumidores com renda familiar de até R$ 1.800. O usuário do programa pode financiar até 90% do valor do imóvel, com os custos sendo divididos em até 120 meses. As parcelas chegam, no máximo, a R$270.

  • Faixa 1,5

As famílias com renda de até R$ 2.600 costumam ser inseridas na faixa 1,5, que permite a compra de imóvel com juros de apenas 5% ao ano. Aqui, o tempo para pagamento do bem é maior, podendo chegar a 360 meses.

  • Faixa 2

A renda para usuários desta faixa deve ser de até R$4 mil, e a variedade de escolha é maior. O consumidor pode optar na faixa 2 por imóveis ainda na planta, novo ou usado, terreno ou ainda pela construção em terreno já próprio.

  • Faixa 3

Trinta anos para pagamento, renda de até R$9 mil e taxa de juros diferenciadas: estas são as condições da última modalidade do MCMV, que assim como a faixa 2 permite compra variada ou construção.

  • Inscrição no programa

Após definida sua faixa de financiamento, o consumidor precisa se dirigir à Prefeitura de sua cidade ou à Caixa Econômica Federal ou BB e solicitar a participação no programa Federal. O orçamento para parcelamento varia de acordo com a localidade, e só é possível adquirir vaga na opção quando elas estiverem disponíveis.

Para a inscrição, é preciso apresentar RG, CPF, comprovante de renda, comprovante de endereço, Carteira de Trabalho, Certidão de Nascimento ou Casamento e, quando for o caso, o cartão do Cadastro Único De Programas Sociais (Cadunico).

  • Sorteio e cadastramento

Como as vagas são limitadas, as famílias são sorteadas para a participação no Minha Casa, Minha Vida. Ao ser selecionado, o usuário é comunicado pela Caixa e deverá fazer cadastro para compra do imóvel.

Logo depois, a instituição financeira irá verificar as melhores condições para seu financiamento, e então o contrato será assinado. A partir daí, o cliente deverá arcar com suas parcelas mensais, ao mesmo tempo em que usufruir da sua nova propriedade.


Precisando de Empréstimo?

Quero encontrar meu empréstimo ideal!

Em destaque em Empréstimos