Negociar divida cheque especial

Negociar divida cheque especial

Publicado em 19/08/2019 às 19:17


Saiba como negociar suas dívidas de cheque especial


Você provavelmente já passou por essa situação algumas vezes. Ao acessar sua conta corrente, em uma visualização rápida, percebeu que você tinha mais dinheiro do que imaginava. Em seguida, no entanto, olhou com mais atenção, e percebeu que, na verdade, o dinheiro “extra” correspondia ao cheque especial.

O cheque especial é um crédito especial que o banco disponibiliza a todo cliente. Dependendo de sua renda mensal, os valores são calculados e inseridos na sua conta para uso a qualquer momento. A alternativa não tem nenhum custo, mas sofre com os juros assim que utilizada.

Isso significa que, se você possui cheque de R$300, esse valor estará sempre disponível na sua conta. Caso venha a utilizá-lo, você então será cobrado por ele, por meio de juros. Os juros do cheque especial são diários.

Os juros do cheque são os segundos mais caros do mercado, ficando atrás apenas do rotativo do cartão de crédito. Por isso, a opção deve ser utilizada apenas em casos de emergência, e paga o mais rápido possível.

Para quitação dos valores, basta que o consumidor deposite na própria conta o montante emprestado mais o valor dos juros cobrados por dia. Isso significa o seguinte: se você utilizar valor de R$400 no cheque especial, ficará sujeito a uma taxa de 0,5% diário (encargo fictício. Valores variam por banco).

Demorando apenas um dia para quitar o empréstimo, o consumidor deverá depositar em conta R$402 (apenas R$2 de juros). Com dez dias de juros, o cliente deverá depositar R$420 para quitação do débito, e assim por diante.

Este cálculo básico funciona apenas para a ilustração dos valores. Além dos juros, incide sobre o cheque o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) cobrado pelo governo.

Dívidas do cheque especial: como negociar?

Com tanta facilidade para o uso do cheque especial, não é incomum que o indivíduo utilize os valores e crie uma grande dívida com os juros. Afinal, aquele dinheiro que você julgava seu, era do banco, e terá taxas incidindo sobre ele. Assim, seja qual for o valor a ser pago à financeira, é interessante negociar.

O primeiro passo para a negociação é saber exatamente quando você deve. Procure perceber também porque o cheque foi utilizado, e quantos são os dias de juros sobre os valores.

Com os montantes anotados, verifique quanto você pode pagar por mês. Esta etapa é fundamental, e deve levar em conta corte de alguns gastos. Escolha, porém, quitar um valor possível mensalmente – decidir-se por apertar demais as finanças pode levar à dificuldade para honrar o acordo e ainda ao surgimento de outras dívidas.


Precisando de Empréstimo?

Quero encontrar meu empréstimo ideal!

Em destaque em Empréstimos